enfermagem, fitoterapia, laserterapia, ortomolecular, ozonioterapia

Controle da fibromialgia

…..O que é fibromialgia? Vamos lá: Fibromialgia é uma síndrome caracterizada por dores pelo corpo todo, principalmente em músculos e articulações. Tem como consequência fadiga, distúrbios que afetam o sono, a memória e o humor. Sentir dor não é algo fácil de ignorar, e por isso muitas pessoas ficam bem ansiosas, depressivas e com alterações intestinais. A medicina tradicional afirma que a fiblomialgia é de causa desconhecida e ainda sem cura, eu meio que discordo disso, pois a fibromialgia não é uma doença, é um estado! Se investigar direitinho com paciência dá para identificar os fatores que estão desencadeando a síndrome, aí é só intervir! Lembrando que o paciente precisa estar disposto a fazer a parte dele, é claro!

COMO EU FAÇO

…..Geralmente a pessoa chega na primeira consulta contando sobre como recebeu o diagnóstico, como está tratando, e de como toda a situação afeta a sua vida. A primeira coisa que faço é aplicar o laser local (904nm) nos pontos padrão para aliviar a dor e relaxar a musculatura, em seguida coloco o laser (660nm) no modo ILIB sistêmico, e a partir daí inicio a conversa para a investigação

Alimentação: Reforço sobre a importância de reduzir o consumo de alimentos com potencial inflamatório, e não fico só no blá blá bla, eu ensino de verdade e mostro como alguns alimentos destroem nossa saúde. A culinária funcional acelera bem a recuperação da fibromialgia, pode acreditar!

Disbiose e hipicloridria: A disbiose é bem comum em pacientes com fibromialgia, não tem como resolver o problema se não tratar o intestino zuado. E a hipocloridria então, a danada dificulta muitíssimo a digestão, e como consequencia não deixa o corpo aproveitar as vitaminas, os minerais, gorduras e o mais importante, as proteínas, sem contar que também causa disbiose, eita lê lê, não tem como não tratar esses dois.

Problemas associados: Falta de sono reparador, tireoide desregulada, estresse descontrolado, sedentarismo, deficiência de vitaminas e minerais, baixo nivel de neurotransmissor serotonina e hormônio D. Tem que investigar tudinho!

Exames: O paciente com diagnóstico de fibromialgia sempre chega com uma pilha de exames, e isso ajuda muito na hora de investigar as possíveis causas. Tudo é importante aqui, os exames básicos de função renal, função hepática, hormonal, marcadores inflamatórias, deficiências de micronutrientes, e por aí vai. Lembrando que a avalização dos resultados “não” é baseada nos pârametros de normalidade preconizados pelos laboratórios, pois esses parâmentros de normalidade são baseados na média dos dados estatísticos de pessoas que em sua grande maioria já então doentes! Que bosta né!? É, eu explico melhor isso em outro texto.

Suplementação: Sempre incentivo o paciente a melhorar a qualidade da alimentação, priorizando alimentos de verdade que estão a venda na feira e no açougue, bem nutritivos, justamente para evitar muita suplementação, mas, no início do tratamento é necessário sim regular a bioquímica do corpo com suplementação, o paciente chega no consultório se arrastando, precisando de um impulso para o ajudar a sair do fundo do poço, para poder retomar o fôlego sabe? A suplementação adequada dá esse impulso.

Se mexer: Reforço sobre a necessidade de realizar alguma atividade física diariamente, pode ser qualquer uma mesmo, subir as escadas do prédio sempre que voltar de algum lugar, dançar, fazer yoga, caminhada, passear com o cachorro, ir bater perna no comércio, enfim, tem que ser atividades que o paciente se identifique e que se torne um hábito. Irá melhorar a circulação sanguínea, gerenciamento do peso, melhora bem todo o metabolismo do corpo, e ainda ajuda a controlar o estresse, olha que beleza. Constância aqui é tudo! Se puder adicionar fisioterapia e/ou pilates então, será uma recuperação maravilhosa.

Explicações sobre terapias complementares: O protocolo com Laserterapia é a minha primeira opção na primeira consulta, já ameniza bem o quadro de dor e a pessoa se sente mais relaxada, mas preciso explicar sobre os outros procedimentos que gosto de utilizar, pois, cada vez que vejo o paciente faço uma avaliação de como ele está e como está reagindo ao tratamento como um todo, a partir dessa avaliação consigo saber o que é mais indicado para dar continuidade e potencializar os resultados.

Terapias complementares que mais uso: Ozonioterapia, Eletroestimulação, Laserterapia, Ortomolecular, Culinária Funcional, e os opcionais que deixo a critério do paciente incluir na rotina diária, como o uso de Óleos Essenciais e Plantas Medicinais.

OZONIOTERAPIA

…..A fibromialgia sempre apresenta multiplos sintomas, e por isso, causa limitações e cria uma péssima qualidade de vida. A terapia complementar com o ozônio tem como objetivo:

  • Controlar a inflamação crônica sistêmica, e consequentemente, diminuir a dor!
  • Aumentar a produção de serotonina, isso ajuda demais mesmo!
  • Aumentar a eficiência do sistema enzimático antioxidante produzido pelo próprio corpo.
  • Melhorar a microcirculação para gerar um aumento no nível de oxigenação.
  • Aumentar a produção de endorfinas para melhorar a qualidade do sono. O sono reparador é tudo!

Pesquisas publicadas: Em estudos sobre o uso do ozônio na fibromialgia, 43,3% dos pacientes que usaram a ozonioterapia apresentaram melhora na dor a partir da segunda semana de aplicação, é um índice altamente significativo. Quando alcançada menor intensidade de dor, foi observada uma diminuição no consumo de medicamentos em 30% dos pacientes. Houve aumento da produção de endorfinas, de modo que os pacientes tratados com ozônio foram capazes de melhorar seus distúrbios do sono em 46,6% e 40% conseguiram retomar as suas atividades diárias. Referência no fim da página.

ALIMENTAÇÃO

…..Não tem como controlar a fibromialgia sem mexer na alimentação, sem chance! A alimentação adequada ajuda em todo processo de recuperação, e depois da saúde já recuperada, continuará a manter essa saúde. Vou colocar aqui algumas dicas.

  • Adoçantes: Precisa evitar adoçantes e polióis, eles são danados em causar desiquilíbrio do bioma intestinal, lembra que comentei que não é possível tratar a fibromialgia sem recuperar o intestino zuado por disbiose e o estômago com hipocloridria? Nada de adoçantes viu!?
  • Jejum: Se for do interesse do paciente, fazem jejum intermitente de 18 horas uma vez por semana pode apresentar ótimos resultados, acho super valido, mas a pessoa não pode esquecer que se quiser incluir o jejum no tratamento é necessário ter alguns cuidados e acompanhamento.
  • Alimentos processados: Geralmente possuem muita química como conservantes, aromatizantes, corantes e um monte de porcarias que só vai te intoxicar e inflamar. Aprenda a ler rótulos, isso ajuda a fazer melhores escolhas.
  • Plantas medicinais: Aqui pode ser usado plantas para melharar a qualidade do sono, para fortalecer a imunidade, para controlar dor nas articulações, para melhorar a digestão,… Eu sempre indico o uso de plantas, deixando bem claro que é um complemento opcional, porém, quando o paciente está mesmo disposto a se tratar, ele inclui na sua rotina diária e acaba se surpreendendo como potencializa bem os resultados.
  • Probióticos: Tem que incluir sim, eles ajudam bastante a recuperar o intestino, são os soldadinhos de defesa que vivem no nosso intestino e que nos ajudam em várias situações quando estão em quantidades adequadas.
  • Hidratação: Beber “água” não é besteira, muita gente nem sabe dos trocentos problemas que o corpo sofre pela deficiência da ingestão de água.
  • Glúten: Ele sempre está muito presente na vida das pessoas com fibromialgia, eu peço para reduzir bem ou mesmo eliminar da alimentação por um determinado período, fazendo o teste de exclusão, oriento o paciente a ficar um mês sem consumir glúten, para ver como o corpo reage. Olha, a saúde melhora muito!
  • Açúcar: Esse nem preciso falar nada né!?

PONTOS IMPORTANTES

Elevar a serotonina: A serotonina é um neurotransmissor muito importante na recuperação da fibromialgia. Quando os níveis de serotonina estão altos a pessoa tem energia sobrando, se sente positiva e satisfeita com a vida, isso ajuda a facilitar o humor otimista e melhor foco, organização, produtividade, sociabilidade, e criatividade. Quando os níveis estão baixos a pessoa pode apresentar ansiedade, medo, depressão, insônia, comportamento compulsivo, mudanças de humor, agitação, inquietude, fadiga, e entre outras vários problemas, a fibromialgia. Eita nóis, vamos elevar essa serotonina nas alturas minha gente.

Hormônio D: Para elevar os níveis de vitamina D entre 50 e 80 ng/mL pode ser necessária em um primeiro momento a suplementação. O paciente precisa entender que para “manter” esse níveis ele precisa de sol, que além de ajudar a manter os níveis adequados de hormônio D ainda proporciona sensação de bem estar. Então trate de por um biquini ou uma sunga e vá tomar sol, mas se isso não for possível, vá a algum lugar aberto e faça uma caminhada, mexer a carcaça e se expor ao sol, são dois dos maiores impulsionadores que também ajudam na produção de serotonina.

Sono reparador: Ter um sono realmente reparador é extremamente necessário, quanto menos dorme, mais dor sente! O paciente precisa buscar isso de qualquer maneiro, pode iniciar fazendo o passo a passo da higiene do sono, pode também incluir aromaterapia com óleo essencial de lavanda antes de dormir para redução da ansiedade e indução do sono, óleo essencial de olíbano ao longo do dia, consumir as frutas que apresentam fitomelatonina, enfim, tem que tentar todas as estratégias possíveis e dormir bem, de verdade!

Controle da fadiga: A dor aqui da fibromialgia não está vinculada a prostaglandinas e sim a mitocôndriopatia, por isso, para tratar a fadiga é necessário tratar as mitocôndrias, para elevar a produção de ATP (energia) e da serotonina neuronal.

Doenças associadas: Além da disbiose, hipocloridria e sensibilidade ao glúten, tem que investigar também o danado do hipotireoidismo, a tireoide tem uma grande responsabilidade no nosso metabolismo, se ela estiver desregulada, ferra tudo! Sem esquecer da depressão, ansiedade e as doenças inflamatórias musculares e articulareses.

LASERTERAPIA

…..Eu sou apaixonada pela laserterapia, é uma excelente terapia complementar na fibromialgia, eu uso via local nos pontos de dor e também via sistêmica, quase em todos os casos. O objetivo do laser aqui na fibromialgia é:

  • Melhorar a rigidez muscular matinal e reduzir a sensibilidade dolorosa.
  • Controlar a inflamação crônica sistêmica e aguda.
  • Controlar os efeitos colaterais dos medicamentos: Os pacientes chegam no consultório tomando um monte de medicamentos prescritos de forma crônica, são medicamentos que ajudam bastante, mas que infelizmente sempre causam um monte de efeitos colaterais. 
  • Melhorar a oxigenação dos órgãos e demais tecidos, ajudando a ajustar o funcionamento do corpo como um todo.

ELETROESTIMULAÇÃO

…..Tem vezes que o paciente com fibromialgia aparece com muita dor ao ponto de não conseguir nem falar com coerencia, nesses casos eu utilizo também o TENS (terapia por estimulação elétrica nervosa transcutânea) que consiste na emissão de correntes elétricas pulsadas que estimulam nervos e músculos através da pele.

  • Bloqueia os sinais de dor: O estímulo elétrico que o aparelho produz “concorre” com a transmissão do impulso nervoso de dor, impedindo o estímulo de dor de chegar ao cérebro.
  • Aumenta a produção de substâncias fisiológicas do organismo com efeito analgésico (endorfinas), responsáveis pela redução de dor, diminuindo a sensibilidade do local mesmo após o uso.

Obrigada pela visita 😀

Referências consultadas
1. Artigo: Longas Vélez, B. P. (2014). Ozone therapy, a supplement for patients with fibromyalgia. Revista Española de Ozonioterapia. Vol. 4, n.1, pp. 39-49.
2. Artigo: Tirelli U, Cirrito C, Pavanello M, Piasentin C, Lleshi A, Taibi R. Ozone therapy in 65 patients with fibromyalgia: an effective therapy. Eur Rev Med Pharmacol Sci. 2019 Feb;23(4):1786-1788.
3. Low, J.; Reed, A. Eletroterapia explicada. 1. Ed. São Paulo: Manole, 2001.
4. Curso: Ozonioterapia em ortopedia. Instituto Brasileiro de ciências aplicadas ao ozônio.
5. Treinamento: Comer para viver. Projeto da Jolivi com o nutricionista Gabriel de Carvalho.
6. Curso: Estudos avançados em ortomolecular. Projeto da farmacêutica Vanessa Anghinoni.
7. Imersão: Fisiopatologia e bioquímica das doenças.
Foto: Site de imagens gratuitas freepik.com – Fotógrafo: Jcomp.