culinariafuncional, emagrecimento, enfermagem, feridas, fitoterapia, laserterapia, ortomolecular, ozonioterapia, veterinaria

Diabetes tipo2

…..A diabetes tipo2 é uma doença desenvolvida em pessoas que mantiveram por “vários e vários anos” hábitos de vida “não saudáveis”, especialmente pela alimentação e o famoso sedentarismo. Deixa eu falar: é o que mais se vê hoje em dia viu! Porém, se a pessoa realmente quiser é possível manter a diabetes controladinha, ou melhor ainda, a colocar em remissão, basta tomar as rédeas do corpo e fazer as mudanças necessárias, não é fácil no início, mas se seguir o caminho correto sem pular etapas dá tudo certo!

COMO EU FAÇO

Alimentação: Quem acha que mudar na alimentação é só um detalhe levante a mão 😀 A causa do problema é a alimentação zuada, a solução é a alimentação boa! Eu ajuda com a culinária funcional, ensino do zero, até desenho se for preciso, mas vai comer direito, vai se adaptar bem, e ainda vai achar gostoso, pode acreditar.

Problemas associados: Resistência à insulina e falta de sono reparador são desencadeadores comuns, não tem como tratar a diabetes tipo2 sem tratar sono e sem recuperar o pâncreas, além claro, de controlar peso corporal, tratar o intestino, recuperar o estômago, corrigir deficiências nutricionais e controlar o estresse. Dá trabalho, mas abordamos aos poucos todos esses pontos durante o tratamento.

Exames: Eu fico bem decepcionada quando só pedem para o paciente glicemia em jejum e hemoglobina glicada, é necessário solicitar outros exames para avaliar o estrago instalado e o que está por vir, e dessa maneira já fazer o que deve ser feito antes que piore, mas infelizmente, o mais comum é deixar tudo para depois, para o próximo check-up, depois que o paciente já está todo cagado, pq aí é só passar mais remédios, fácil assim, dá menos trabalho para o profissional. Apenas um desabafo tá, explico isso melhor em outro texto.

Suplementação: Sempre incentivo o paciente a potencializar o tratamento com alimentação, priorizando comida de verdade que está à venda na feira e no açougue, alimentos bem nutritivos, justamente para evitar muita suplementação, mas, no tratamento da diabetes tipo2 é necessário sim regular a bioquímica do corpo com suplementação, tem que controlar glicação, inflamação sistêmica, oxidação e um monte de outras coisinhas, não tem como fugir.

Se mexer: Eita eu, os pontos mais importantes são os mais difíceis de enfiar na cabeça do paciente, pois são a causa da diabetes tipo2, “a alimentação zuada e o sedentarismo”. Instigo sobre as vantagens de realizar atividade física diariamente, qualquer uma mesmo, vale tudo: subir as escadas do prédio sempre que voltar de algum lugar, dançar, fazer yoga, caminhada, passear com o cachorro, ir bater perna no comércio, enfim, precisa que se torne um hábito diário que entre no automático, Bora mexer a carcaça enferrujada!

Explicações sobre tratamentos complementares: Eu explico sobre todas as estratégias complementares que gosto de utilizar, pois, cada vez que vejo o paciente faço uma avaliação de como ele está e como está reagindo ao tratamento, a partir dessa avaliação consigo saber o que é mais indicado para dar continuidade e potencializar os resultados. Dali por essa diabetes tipo2 em remissão minha gente.

Tratamentos complementares que mais uso: Ozonioterapia, Laserterapia e Ortomolecular. Em casa vai precisar por em prática a Culinária Funcional. E se for do interesse, tem os opcionais que deixo a critério do paciente incluir na rotina diária, como o uso de ÓleosEessenciais e Plantas Medicinais.

O QUE É DIABETES TIPO2?

…..Vou explicar: A Diabetes Mellitus tipo2 é uma condição onde as células do nosso corpo não conseguem mais captar a glicose ou isso está acontecendo de forma pouco eficiente, mantendo as concentrações elevadas de glicose no sangue, que pode ser causada por deficiência na ação da nossa insulina, ou, na deficiência de secreção de insulina pelo nosso pâncreas, ou mesmo as duas situações juntas, É meus amigos, não é moleza não.

…..Não é difícil falar sobre diabetes, mas para quem não é da área da saúde é necessário saber alguns conceitos básicos antes de continuar no assunto. Não dá para entender o que é diabetes, como tratar ou mesmo como prevenir se não souber o que é carboidrato, o que é glicose e o que é insulina. Resuminho básico aqui, vamos lá:

Carboidratos – São todos os alimentos que quando comemos se transformam em glicose no sangue: Pães, massas, bolos, biscoitos, doces, raízes e grãos.

Glicose – Para facilitar, podemos falar que a glicose no sangue é o açúcar no sangue, dessa forma fica mais fácil de entender, funciona assim: quando comemos os carboidratos listados acima, automaticamente são transformados em açúcar no sangue, isso acontece com todo mundo, e para piorar, ainda tem uma coisa que preciso reforçar que muita gente não entende: não importa se o pão francês e o macarrão são salgados, na digestão eles viram açúcar no sangue igual quando comemos um doce! Chato né!? Por isso muita gente reclama que não come doces e mesmo assim ficam com a glicose lá em cima.

Insulina – É o hormônio fabricado no pâncreas que funciona como um transportador de glicose, eu falo que a insulina é o nosso uber, ela transporta a glicose do sangue para dentro das células para que essa glicose possa ser usada como fonte de energia ou estocada em forma de gordura quando não for utilizada, infelizmente quando a pessoa tem diabetes isso não ocorre corretamente, por falha ou falta de insulina para trabalhar como uber, o sangue fica cheio de glicose, causando os temíveis picos de hiperglicemia… daí vem as complicações da diabetes, que a longo prazo pode causar feridas nos pés seguidas de amputações, problemas renais, problemas cardíacos, problemas de visão, e por aí vai.

Graus de diabetes tipo2: Existe desde os diabéticos que conseguem controlar com uma boa alimentação e um bom estilo de vida, aqueles que conseguem tomar medicamento apenas por via oral, até aqueles casos mais graves que já estão muito avançados que até a insulina precisa ser usada.

OZONIOTERAPIA NA DIABETES 2

…..A diabetes tipo2 tem como base a inflamação crônica sistêmica, a oxidação e a glicação, e a ozonioterapia ajuda bem no controle desse processo que super destrói o corpo do paciente. Aqui o objetivo do ozônio é:

  • Controle da glicemia: Regular a produção de insulina proporcionando equilíbrio funcional do organismo.
  • Melhorar as propriedades físico-químicas das hemácias e o fluido sanguíneo.
  • Restabelecer todos os tecidos que sofrem com o diabetes de forma preventiva e curativa.
  • Diminuir a agregação plaquetária e promover vasodilatação.
  • Melhorar a cicatrização e hidratação da pele.
  • Aumentar o nível da enzima SOD que atua no pâncreas, protegendo e reduzindo o ataque às células beta do pâncreas
  • Corrigir a disfunção mitocondrial.
  • Otimizar a capacidade hemorreológica da hemácia e aumenta sua eficácia.
  • Ação Antioxidante: Proteger as células sadias contra a ação oxidante dos radicais livres
  • Aumentar significativamente a microcirculação sanguínea periférica
  • Melhorar o perfil lipidico: Evitar a peroxidação lipídica, sobretudo a oxidação do LDL (lipoproteína de baixa densidade).
  • Atuar no sistema imune ativando as célular imunocompetenes.

COMO PREVENIR?

Piramide alimentar: Lembra quando você aprendeu no colégio sobre a pirâmide alimentar, que a base da alimentação precisava ser de pães, massas, grãos e raízes? Então, essa é alimentação preconizada para as pessoas de antigamente, que eram super ativas, que precisavam de muita energia para trabalhar em serviços braçais, muita coisa mudou, as pessoas estão cada dia mais sedentárias, dependentes de comidas industrializadas e produtos alimentícios, com isso vem a diabetes tipo2, hipertensão arterial, esteatose hepática e outras doenças consideradas crônicas. Não importa se é tipo 1 ou tipo 2, a pirâmide alimentar se tornou “totalmente desaconselhada”. 

Identificar os sinais: Antes da diabetes tipo2 se instalar, que pode levar décadas, o corpo mostra sinais de que isso vai acontecer, e cabe ao profissional identificar esses sinais e informar ao paciente. Antes de ter diabetes o paciente começa a apresentar alteração da glicose apenas após as refeições, depois começa a ter resistência à insulina que vai piorando ao longo dos anos, depois entra no pré diabetes, e se nada for feito, se instala a diabetes, que é bem difícil de reverter, justamente por ter levado anos e anos para se desenvolver.

DIFERENÇAS: DIABETES TIPO 1 E 2

Diabetes Tipo 1: A principal causa se dá quando o seu próprio corpo destrói as células beta do pâncreas, que são justamente as células que produzem insulina, isso se chama destruição “autoimune”. Como o pâncreas não produz mais a insulina, a pessoa precisa aplicar insulina todos os dias. É mais comum em crianças e adolescentes.

Diabetes Tipo 2: É o tipo mais comum de diabetes, é quando a insulina produzida pelo pâncreas não é suficiente ou não está funcionando adequadamente para retirar a glicose no sangue. É mais comum em adultos e a principal causa são os hábitos alimentares, que está ligado a obesidade, gordura visceral e sedentarismo. O tratamento é a mudança do estilo de vida e muitas vezes a utilização de medicamentos orais ou até mesmo associados com insulina, mas lembrando que a alimentação sempre vai ser o fator mais importante do tratamento e prevenção do diabetes 2.

DICAS PARA DIABÉTICOS

Produtos diet: Não acredite nesses produtos! Infelizmente os produtos dietéticos podem apresentar no rótulo aquela instigante frase “sem açúcar”, mas quando olhamos na lista de ingredientes contêm maltodextrina, frutose, galactose, xarope de milho, e um monte de outras coisas que elevam a glicose no sangue as alturas, igualzinho ao açúcar.

Exames: Não se baseie apenas no exame de glicose em jejum, ele é apenas um dos exames, sozinho não diz muita coisa, não se quiser fazer prevenção ou um tratamento decente.

Adoçantes: Os adoçantes não são bonzinhos, eles sempre causam algum dano a saúde, posso dar como exemplo a sucralose que pode causar problemas na tireoide, pois o cloro presente na sua composição capta o iodo, prejudicando o funcionamento da glândula. Olha que só citei um deles, pode acreditar que quanto mais cutucar o assunto, mais fede.

Estratégias nutricionais: Use estratégias para te ajudar a não sofrer com as mudanças na alimentação, tudo é hábito, quando se acostumar a comer alimentos que te fazem bem não vai mais querer os que te deixaram doente. Assim como o nosso corpo se adapta ao que é ruim, ele também se adapta ao que é bom.

Leia os rótulos dos alimentos: Leia sempre! Isso vai te ajudar bastante. E se quer um conselho, frequente mais o açougue e a feira, os alimentos vendidos nestes dois lugares não possuem rótulos, você sabe exatamente o que tem ali.

Obrigada pela visita 😀

Referências consultadas
1. Minha experiência profissional trabalhando lado a lado com endocrinologistas, nutrólogos e nutricionistas renomados.
2. Treinamento: Comer para viver. Projeto da Jolivi com o nutricionista Gabriel de Carvalho.
3. Programa: Descomplicando a Diabetes. Projeto da nutricionista Marina Bertaia.
4. Curso: Ozonioterapia avançada. Instituto Brasileiro de ciências aplicadas ao ozônio.
5. Curso: Estudos avançados em ortomolecular. Projeto da farmacêutica Vanessa Anghinoni.
Foto:
Site de imagens gratuitas freepick.com – Fotógrafo: xb100.

…..Este texto é apenas um informativo, para qualquer tratamento é necessário profissionais capacitados para acompanhar o seu problema, de preferência que se atualizem, que entendam a importância da alimentação para recuperar a saúde, e que não sejam marionetes da indústria farmacêutica e alimentícia. A medicação ajuda bem a controlar os estragos, mas ela não trata as “causas” da diabetes tipo2, e por isso, não pode ser o “único” método de tratamento.