culinariafuncional, emagrecimento, endocrinologia, nutrologia, receitas

Farinhas sem glúten

 

     Fazer receitas sem glúten não é nada fácil no início, mas é possível sim se livrar da farinha de trigo substituindo por ingredientes funcionais que irão ajudar em vários problemas e agregar benefícios a saúde. Aqui você vai encontrar as seguintes informações:

  • Como substituir o trigo em uma receita.
  • Mix simples de farinhas.
  • Dicas para acertar as receitas de pães sem glúten.
  • Farinhas sem glúten.
  • Resumo sobre as farinhas.

 

COMO SUBSTITUIR?

 

     Para conseguirmos uma massa estruturada, macia e com liga (características de uma massa com glúten), precisamos combinar alguns tipos de farinhas, onde cada uma vai oferecer uma característica para a massa.

  • Estrutura: Podemos usar farinha de arroz, farinha de aveia, farinha de amaranto, farinha de grão de bico… Elas são utilizadas em maior quantidade.
  • Maciez: Podemos usar amido de milho, fécula de batata ou araruta.
  • Umidade: Podemos utilizar as farinhas de oleaginosas como amêndoas, castanha do pará, castana de caju, nozes, macadamia ou de amendoim.
  • Liga: Utilizamos a fécula de mandioca, também conhecida como polvilho doce ou goma seca. Ela é utilizada em menor quantidade no mix.
  • Melhoradores: Goma xantana e o psylium, sempre em pequenas quantidades.

Açúcar também ajuda a dar umidade a massa, mas se for fazer um pão doce com pouco açúcar é necessário aumentar a quantidade de gordura.

 

MIX SIMPLES DE FARINHAS

 

     A maior dificuldade ao preparar pães, bolos e tortas sem glúten é deixar a massa com a maleabilidade e elasticidade igual as massas com trigo. O mix a seguir é bem simples, mas ajuda bem nesta substituição em algumas receitas.

Ingredientes

  • 150 gramas de farinha de arroz.
  • 150 gramas de polvilho doce.
  • 100 de fécula de batata.
  • 100 gramas de amigo de milho ou araruta.
  • 5 gramas de goma xantana.

 

DICAS PARA ACERTAR AS RECEITAS SEM GLÚTEN

 

Quando você pegar alguma receita:

  • Verifique se está claro o modo de preparo.
  • Você entendeu o passo a passo? 
  • Você tem todos os ingredientes em casa?
  • Os ingredientes estão dentro do prazo de validade e íntegros?
  • Você tem todos utensílios e equipamentos necessário?

Medidas dos ingredientes: Etapa super importante

  • Use xícaras e colheres de medida ou uma balança.
  • Siga exatamente as medidas com precisão para garantir o sucesso da receita, não pode, de jeito nenhum, fazer no olhometrô, é shit na certa.

Passo a passo

  • Leia atentamente a receita duas vezes.
  • Siga a ordem indicada ao misturar os ingredientes.
  • Lembre-se que pão sem glúten não precisa sovar. Essa parte é boa 😀

Use o fermento biológico da maneira correta

  • Cuidado com a temperatura da água, ele precisa estar abaixo de 40º C. Para testar a temperatura coloque o dedinho dentro, se ficar confortável por pelo menos 5 segundos, é que está correto.
  • Dê preferência ao fermento biológico seco instantâneo.
  • Não coloque o sal diretamente sobre o fermento, ele perde o efeito de fermentar.
  • Use o açúcar indicado na receita, o açúcar tem a função de alimentar o fermento, não se preocupe, não vai afetar a sua dieta.
  • O tempo de fermentação vai depender do clima do dia, em dias mais frios pode demorar o dobro do tempo para fermentar.
  • Faça uma estufa caseira mantendo o pão dentro do micro-ondas fechado com uma xícara de água bem quente soltando vapor.
  • O fermento biológico não gosta de vento e ambiente frio, não abra até a hora de levar ao forno, por isso indico o micro-ondas, para poder visualizar o crescimento através do vidro.
  • Espere o pão crescer pelo menos ⅓ do volume inicial antes de levar para assar.

Asse o pão da maneira correta

  • Siga as orientações de pré-aquecer o forno e asse o pão na temperatura indicada.
  • Pré-aqueça o forno por pelo menos 20 ou 30 minutos antes de assar o pão.
  • Não abra o forno antes de 70% do tempo indicado para assar, ele vai murchar e ficar abatumado.
  • Retire o pão de dentro do forno assim que estiver pronto, não deixe esfriar dentro
    para o pão não ressecar.
  • Conheça as particularidades do seu forno e se adapte à elas.
  • Retire o pão da forma assim que possível e deixe esfriar sobre uma grelha
  • Não corte o pão quente senão ele ficará borrachudo e deformado, espere o pão pelo menos amornar.

Fonte: Receitas sem glúten em sem lacteos – Amor pela comida.

 

FARINHAS SEM GLÚTEN

 

     Todas as farinhas que vou citar abaixo são naturalmente sem glúten, porém, a grande maioria das marcas vendidas em supermercados não são, pois nas embalagem vem descrito que contém glúten, soja, látex, e um monte de tranqueiras misturadas, fuja dessas marcas, além de misturar tudo que é citado na embalagem, provavelmente também terá misturado várias outras substâncias duvidosas.

     Uma outra opção mais interessante é comprar os grãos e triturar em casa, que é justamente o que eu faço, assim tenho a garantia que não houve tantas misturas indesejadas e estou consumindo um alimento com mais qualidade. Lembrando que compro bem poucos itens na zona cerealista, a grande maioria compro em supermercados e em lojas de produtos naturais. Em lojas de produtos naturais é um pouco mais caro, mas é melhor, pois vem em embalagens fechadas, sem risco de contaminação. Comprar ingredientes sem glúten pela internet também é uma alternativa.

 

RESUMO SOBRE AS FARINHAS

 

Farinha de coco: A farinha de coco é cheia de benefícios para a saúde, é considerada um alimento funcional devido a alta quantidade de nutrientes e fibras (cerca de 60g de fibras a cada 100 gramas de farinha). Tem a farinha de coco marron que é a mais rica em fibras e a farinha de coco clarinha que é da polpa do coco, não tem como falar qual é a melhor, vai depender da necessidade de estrutura de cada receita.

Farinha de arroz: Eu particularmente não uso com frequência a farinha de arroz, porém, ela é bastante usada e talvez a primeira opção de muitas pessoas devido ao baixo custo. Da marca Urbano o pacote de 1 kilo custa R$ 4,50 na zona cerealista, nunca compre a granel.

Farinha de aveia: É bem versátil e saudável, possui um tipo de fibra solúvel que retém água e forma um gel no aparelho digestivo, aumentando a saciedade, mesma substância que ajuda no controle do colesterol. Infelizmente a grande maioria das aveias vendidas contem glúten, eu compro no supermercado ou em loja de produtos naturais aquela que vem escrito “sem glúten”. Eu falo aveia pq compro a caixa da aveia em flocos e trituro para virar farinha na hora de usar.

Farelo de aveia: O farelo é a casquinha da aveia e por isso possui mais fibras, quem está seguindo uma alimentação com baixo carboidrato o farelo é uma melhor opção do que a aveia. É mais confiável também comprar em lojas de produtos naturais em embalagem fechada.

Farinha de painço: Essa é uma opção para substituir a farinha de arroz, ela proporciona a mesma textura com um sabor mais gostoso e com mais nutrientes. Compro o painço descascado e transformo em farinha em casa.

Farinha de quinoa: Eu uso a quinoa em todos os meu bolos, enriquece muito nutricionalmente e auxilia na textura. Eu compro a quinoa em flocos e bato no liquidificador com os demais ingredientes na hora de fazer a massa dos bolos.

Farinha de grão sarraceno: Também conhecido por trigo sarraceno, não tem nada a ver com o trigo que conhecemos, o grão sarraceno é um pseudo cereal, não contém glúten e é uma ótima opção para fazer pães. Eu compro em grão e trituro em casa para fazer a farinha.

Polvilho doce e Polvilho azedo: São usados em várias receitas, eu compro no supermercado da marca (Yoki), é a única marca livre de glúten, tem outra marca famosa um pouco mais barata, mas que não compensa, além de ter traços de várias tranqueiras ainda vem grumos.

Farinha de chia: Eu uso a farinha de chia como complemento, em pequenas quantidades para agregar valor nutricional como o omega 3 e também para ajudar na estrutura do bolo ou torta. Eu compro as sementes e trituro na hora junto com outros gãos que vou usar para transformar em farinha, assim é melhor para preservar as propriedades, não recomendo triturar e guardar, pois, depois de 3 dias a gordura boa da chia oxida e perde o valor nutricional..

Farinha de linhaça: Eu uso a farinha de linhaça como complemento, em pequenas quantidades assim como a chia. Eu compro as sementes e trituro na hora junto com outros grãos que vou usar para transformar em farinha. A farinha de linhaça vendida pronta já vem oxidada e por isso tem aquele gosto amargo, triturando na hora preserva as propriedades, não dá tempo de oxidar e fica com o gostinho bem suave.

Amido de milho: Eu compro no supermercado mesmo, da marca mais famosa “Maizena”, olhei no rotulo da outra marca mais baratinha e fiquei assustada com tanta porcaria que adicionam (glúten, latex, soja…) não vale a pena economizar 60 centavos.

Araruta: É uma ótima opção para substituir o amido de milho, mas infelizmente não é tão fácil de achar, e pela internet o preço está muito alto. Enquanto não volta ao preço normal continuo usando o amido de milho (Maizena) ou polvilho doce (Yoki).

Fécula de batata: Também compro em loja de produtos naturais, a granel não confio.  

Farinha de oleaginosas: Pode ser amêndoas, castanha do pará, castanha de cajú, nozes… Basta triturar no mixer ou mesmo se achar mais fácil pode comprar a farinha pronta. Eu sempre prefiro triturar na hora que vou preparar as receitas, para aproveitar o máximo dos benefícios.

Farinha de amendoim: É uma opção mais barada se for comparada com a farinha de oleaginosas, o resultado da textura nas receitas é a mesma, mas o gosto do amendoim é mais forte, por isso uso mais em receitas doces.

Farinha de gergelin: Eu sempre uso, gosto do gergelim branco, também é uma ótima opção para triturar e usar como farinha. Só não recomendo usar o preto como farinha, por ser torrado, ele amarga a receita.

Farinha de amaranto: O amaranto tem em grãos e flocos, para bolos eu compro em flocos, fica mais fácil na hora de bater com os demais ingredientes.

Farinha de maracujá: Eu indico a farinha das sementes do maracujá para agregar fibras a receita, mas se você for fazer um bolo de maracujá, poderá usar a farinha da polpa também.

Outras farinhas sem glúten: Farinha de milho; Farinha de sorgo; Farinha de beterraba; Farinha de feijão branco; Farinha de grão de bico; Farinha de beringela; Farinha de banana verde; Psyllium…

 

Obrigada pela visita 😀

Continuação das informações em breve

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s