veterinaria

Comportamento canino

 

     Os cães possuem uma linguagem universal e se entendem entre si, independente de sua raça ou tamanho, entretanto, eles acham que nós humanos também entendemos o seu sistema de comunicação, o que infelizmente nem sempre acontece! 😦 

     Quando um cão tenta se comunicar conosco e interpretamos mal a sua mensagem, vários problemas podem ocorrer, um exemplo comum é um cão que assume uma postura submissa em resposta a um olhar de desaprovação de seu dono (que pouco entende de posturas de comunicação caninas) este poderá ser punido, pois o dono pensará que o cão “sabe que fez alguma coisa errada”. Quando esta situação se torna frequente na relação proprietário/animal, o cão poderá tornar-se excessivamente submisso, chegando até a urinar, recebendo assim, mais punições ainda, pois o dono pensará que “este cão nunca aprende e agora urina em qualquer lugar”.

     Outra situação é quando o filhote rosna quando alguém se aproxima de seu prato de comida e o dono ao invés de repreendê-lo dá risada e diz “como ele é valente” fato que não terá nenhuma graça quando o filhote crescer e o pequeno rosnado transformar-se em uma forte mordida. Diante dessas situações é de extrema importância que a gente conheça as diversas posturas caninas e com isso interpretar o que elas expressam, assim será possível conhecer melhor o estado de humor e os sentimentos do seu amigo canino.

Neste texto vou abortar os seguintes assuntos:

  • Comportamento de saudação.
  • Sinais visuais e sonoros.
  • Novo integrante na família.
  • Tratar o cachorro como gente.
  • Primeira noite do filhote.
  • Ensinar o cão a fazer as necessidades.
  • Passeios e socialização.

 

COMPORTAMENTO DE SAUDAÇÃO

 

Saudação aos membros da matilha 

     As pessoas que convivem na mesma casa que o cão são recebidas da mesma forma que um membro da matilha. O cão abana a cauda em linha horizontal, pode latir e irá pular na tentativa de lamber os lábios da pessoa. Alguns cães mostram os dentes durante a saudação, seus lábios são puxados para trás, expondo os dentes da frente, atitude que muitas pessoas confundem com um gesto agressivo, esta é a expressão mais próxima de um sorriso que um cão pode alcançar.

     Quando cães da mesma matilha se cumprimentam, a posição da cauda indica o “status” na hierarquia social, quanto mais alta for portada, mais superior é o cão em relação aos outros, o membro mais inferior da matilha irá manter a cauda baixa enquanto a abana, normalmente rebaixando também o corpo. É comum se ver o comportamento submisso ativo no ritual de saudação. 

 

Saudação em território neutro 

     Quando dois cães estranhos do mesmo sexo se encontram em território neutro, apresentam uma série de movimentos padronizados, quase como uma coreografia, se ambos os cães apresentarem um comportamento normal, e tiveram uma socialização canina adequada, aprendendo a entender e usar a linguagem corporal apropriada, o comportamento de saudação não é combativo. Irão se aproximar com curiosidade, checar o sexo e o cheiro do outro e iniciarão uma série de movimentos para estabelecer qual é o dominante e o submisso. Um deles poderá colocar sua cabeça no ombro do outro, e depois o outro poderá fazer o mesmo, podem se mover em círculos, continuando a cheirar e estabelecer sua própria hierarquia, e quando o ritual estiver completado, poderão individualmente urinar (no caso dos machos) ou começar a brincar juntos.

     Quando permitimos os cães passarem pela fase de saudação sem a nossa intromissão, raramente ocorre uma briga, as brigas entre cães estranhos em território neutro normalmente são causadas pela intervenção humana, geralmente o dono se assusta com a presença de outro cão e irá encorajá-lo a lutar ou tentará puxar o cão pela guia, que quase sempre é a grande responsável pela maioria das brigas caninas em território neutro. Quando seguramos a guia firmemente tencionada durante a saudação, uma série de fatores ocorrem, em primeiro lugar, a guia tencionada causa uma resposta agressiva, em segundo lugar, ao puxarmos a guia para trás, inadvertidamente mudamos a postura corporal do cão que mesmo estando ciente de mostrar submissão a um cão mais dominante mantendo a postura corporal mais baixa, no momento em que seu dono puxa a guia levando a cabeça do cão para cima aumenta sua estatura, e sem querer envia ao outro cão a mensagem de que ele está tentando ser o cão dominante, aí ferrou tudo.

 

SINAIS VISUAIS E SONOROS

 

     Os cães possuem a  capacidade de compreender sinais visuais e sonoros fazendo a ligação entre duas ideias simples, entretanto, eles não conseguem relacionar fatos distantes no tempo. Por exemplo, se um cão fugir durante um passeio com o dono e só voltar duas horas mais tarde, ele não poderá compreender a punição que receber. O animal associará a punição ao seu retorno, e não ao fato de ter permanecido duas horas longe. Se o retorno provocar uma boa acolhida, com palavras de estima, um afago amigável ou uma guloseima, o cão sempre voltará, por saber que é isso que o dono deseja.

     Os cães percebem muito bem os comportamentos mais sutis das pessoas, mesmo que sejam demonstrações inconscientes de prazer, desagravo, raiva, ou simplesmente a intenção de fazer algo, afinal, é assim que os membros de uma matilha se comunicam, usando linguagem corporal e sons para expressar suas emoções. Evidentemente, o cão não pode compreender por completo a linguagem humana, o significado é aprendido principalmente pelo tipo e pela tonalidade do som. 

     O dono do cão quase sempre é visto pelo animal como líder da matilha, a proteção da casa e de seus moradores contra estranhos sejam pessoas ou outros cães, é instinto básico do cão. Se um homem desconhecido ou um outro cão forem aceitos sem agressão pelo líder, o cão também os aceitará.

Observação: Na ausência do líder humano o cão assume o comando da situação e pode agir de forma diferente.

 

NOVO INTEGRANTE NA FAMÍLIA

 

     Não existe cachorro perfeito. Não existe cachorro mudo. Não existe cachorro sem personalidade. Não existe filhote que vá passar o dia inteiro sozinho e ainda assim vai aprender onde fica o jornal, onde ele pode ou não pode dormir, o que ele pode ou não pode roer. Principalmente: Não existe filhote emocionalmente ajustado e feliz que passe o dia inteiro trancado na área ou no banheiro sem interagir com pessoas.

DICA: Só pegue o filhote quando alguma pessoa adulta da família for tirar férias. Assim terão ao menos 30 dias para ensiná-lo o básico do básico e para estimular o seu filhote, socializando e estabelecendo um padrão de confiança com os seres humanos.

 

TRATAR O CACHORRO COMO GENTE

 

     Antes de qualquer coisa, as pessoas devem entender que o cão não é um ser humano. Ele tem outras vontades, outras necessidades, e nem tudo que é bom pra nós, é bom pra eles. Por exemplo: colocar roupa no cachorro em um dia quente porque ele não pode ficar “pelado”. Isso é um exagero que a pessoa impõe ao cão como se ele tivesse as mesmas necessidades que nós. A dica é: preste bastante atenção no comportamento do cachorro e veja o que o incomoda. Tratar o cão como gente também atrapalha sua vida “social” com os amigos caninos. É impressionante a quantidade de cachorros que não se acham cachorros e não se dão bem com outros cães. Alguns chegam até a olhar esquisito, como quem diz: “O que eu estou fazendo no meio desse bando de cachorros?”, como se não fosse um deles. Ou seja, este tipo de tratamento acaba deixando o animal sem identidade própria. Portanto, nada de exageros!

 

PRIMEIRA NOITE DO FILHOTE

 

     A adaptação de um filhote na nova casa requer muito cuidado e precaução. Algumas pessoas acreditam que, se deixarem o cachorrinho dormir dentro de casa ou no quarto, ele ficará mal acostumado. Por isso, a maioria dos donos acaba defendendo a ideia de que o cão deve ficar pelo resto da vida no mesmo cantinho. O problema é que esse mito somado ao stress da mudança de ambiente só piora a vida do bicho. Ainda frágil e inseguro, ele pode desenvolver problemas de comportamento ou contrair uma doença, já que seu sistema imunológico ainda está baixo. Portanto, ao contrário do que muita gente pensa, o ideal é não deixar o filhote do lado de fora, e sim permitir que ele durma junto com você até adquirir confiança e perceber que a mãe não irá mais voltar.

     Nas primeiras noites é normal o cão chorar. No entanto, evite ir até ele, isso porque, se todas as vezes que o cachorrinho resmungar você atendê-lo, ele logo vai perceber que chorar é uma ótima forma de ganhar sua atenção e agirá assim sempre que se sentir carente, esse comportamento é idêntico ao que acontece com bebes humanos, se chorar funciona para ter o que ele quer, então ele chora.

 

ENSINAR O CÃO A FAZER AS NECESSIDADES

 

     A velha tática de pegar o focinho e esfregar no lugar onde o animal defecou e repreendê-lo com palmadas não adiantam. Essa medida inclusive atrapalha o aprendizado do cão, que vai ter medo do dono e defecar e urinar escondido. Repreendê-lo depois que ele fez no local errado também não é eficaz, pois o cão não assimila a bronca com o ato e, por mais que ele faça aquela cara de culpado, não vai entender porque está tomando uma bronca. O ideal é entender a rotina do cachorro e saber que hora ele faz suas necessidades (ao acordar, depois do almoço etc.) e levá-lo ao lugar desejado na hora certa. Depois de fazer no lugar certo, elogie o cão, faça carinho ou dê um prêmio, como um biscoito. Se ele ainda não aprendeu, só adianta repreendê-lo na hora em que estiver defecando no lugar errado. O cão nunca deve assimilar a situação desagradável ao dono. Se você não conseguiu surpreendê-lo na hora, limpe totalmente os dejetos sem que ele veja e, principalmente, não deixe nenhum rastro de odor.

 

PASSEIOS E SOCIALIZAÇÃO

 

     Quando falamos de socialização, não estamos somente falando de que um cão deva viver harmoniosamente com outros da sua espécie. A socialização vai além da apresentação entre cães. Um cão quando não apresentado às diversas situações, principalmente quando filhote, fatalmente virá a ter fobias de certos acontecimentos. É muito comum vermos cães que, além de não serem sociáveis com outros cães, têm medo de carros, barulhos altos, pessoas (incluindo crianças), subir e descer escadas tem medo de serem tratados (atendimento veterinário, cuidados com a higiene), alguns apresentam medo até mesmo de brinquedos.

     Sabemos que pode ser complicado apresentar o filhote ao mundo, mas não é impossível e, com certeza, será vantajoso. Antes de o cão completar o ciclo de vacinação, é recomendado que este não vá a rua, mas não quer dizer que ele não deva conhecer a rua. O filhote pode e deve frequentar locais públicos no colo, andar de carro, ser acostumado a ser tocado, ser exposto a diversas situações, conhecer outros cães que se tenha à certeza de serem vacinados e estarem saudáveis. Pode-se levar o filhote à casa de amigos, e muitas outras situações onde o um filhote pode e deve vivenciar.

     A socialização é tão importante, que deveria ser regra geral adotar a “regra de sete do filhote”, onde se aplica que, com sete semanas de vida o filhote já deve ter estado em sete diferentes superfícies, brincado com sete diferentes tipos de objetos, estado em sete locais diferentes, encontrado e brincado com sete novas pessoas (incluindo crianças e idosos), ter sido exposto a sete desafios, comido em sete diferentes vasilhas e em sete lugares diferentes…

     Como podemos notar, é importante que, desde novinho, o cão tenha experiências variadas e seja exposto a todos os tipos de estímulos. O cão tem seu período considerado limite para a verdadeira socialização até os quatro meses de idade, depois se deve continuar sempre apresentá-lo a novos desafios e estímulos.

     Além de apresentar um filhote a tudo que existe no mundo (na medida do possível), não podemos esquecer do mais importante, ensiná-lo a lidar com o novo. Certamente dá trabalho carregar o cãozinho no colo para todos os lugares, mas trará vantagens. Ter um cão socializado é ter um cão equilibrado. Todos nós sonhamos com o cachorro perfeito, mas Lassie e Rin-Tin-Tin só existem lindos e perfeitos no cinema e nos filmes de sessão da tarde. Por trás de um cachorro obediente e inteligente existem muitas horas de dedicação ao animal e ao seu treinamento. Mesmo que você não esteja querendo um cão capaz de proezas dignas de fazer inveja ao Flipper, é preciso entender que estamos lidando com um ser vivo que tem sentimentos, expectativas e que pensa (disso eu não tenho a menor dúvida).

     Cães também sofrem de estresse, ansiedade, melancolia e depressão. Cães também são capazes de amar incondicionalmente, de nos dar alegrias, de nos fazer rir e de nos consolar. Como todo relacionamento é preciso seguir regras básicas para se ter o melhor de um grande companheiro. É preciso ser generoso, ser dedicado, ter respeito e se fazer respeitar.

 

Obrigada pela visita 😀

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s