veterinaria

Universo felino: Gatos

 

    Os gatos são animais complexos que entregam seu amor e respeito somente àqueles que o conquistam, muitas vezes são incompreendidos e mal interpretados, mas se estudar um pouquinho mais a fundo sobre eles, é paixão na certa!

Origem: Há cerca de 12 milhões de anos os primeiros felinos começaram a habitar a terra, são animais originários de regiões desérticas e são topo de cadeia alimentar.

Domesticação: Iniciou-se no oriente médio, onde eles eram usados para o controle de pragas. No Egito antigo eram considerados divinos, sendo mumificados após a morte. Do oriente foram levados para a Itália através de mercadores fenícios e de lá ganharam a Europa. A Idade média foi um tempo de dificuldade para esses maravilhosos carnívoros e de lá surgiram lendas associando a imagem desses animais a cultos de bruxaria.

Atualidade: Nos dias de hoje vemos um crescimento no número de gatos como animais de companhia em todo o mundo, no Japão e Europa já ultrapassaram o número de cães, acredita-se que este aumento se deve a capacidade adaptativa e ao temperamento do
gato, pois são animais higiênicos, carinhosos, sociáveis, adaptados a ambientes pequenos
ou grandes, interativos e extremamente participativos.

 

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA

 

     Os gatos por serem fantásticos predadores possuem adaptações estruturais importantes como a flexibilidade, o equilíbrio e a visão acurada. O gato possui o corpo extremamente elástico, possui 26 vértebras a mais que os humanos, sua coluna é interligada por músculos e sua clavícula é somente um fragmento, assim facilitando a passagem por locais bem estreitos.

     Este tigre em miniatura precisa de alongamentos diários e esses movimentos são sempre elegantes. Os pavilhões auriculares forma câmaras de eco, fazendo com que ele tenha uma sensibilidade auditiva apurada. O equilíbrio dos gatos é outro fator incrível, pois é possível ver esses animais perfeitamente equilibrados em espaços estreitos, acredita-se que o gato utilize a cauda como contrapeso.

     A arte da queda é controlada pelos olhos e estruturas localizadas dentro do ouvido, que transmitem informações rapidamente ao cérebro para que o corpo se adapte ao encontro com o solo. Os movimentos do gato são graciosos e precisos, são exímios saltadores, gastam pouca energia ao caminhar e são ótimos nas escaladas, porem, para descidas sentem um pouco de dificuldade.

 

SENTIDOS

 

     Os gatos possuem um amplo campo de visão, assim eles podem avaliar a profundidade e a distância com precisão. A dilatação da pupila do gato apresenta 3 estágios diferentes de acordo com a luminosidade. Quando o gato é exposto a alta luminosidade a pupila fica apenas com uma abertura vertical (fenda), à medida que a luminosidade diminui a pupila dilata para poder captar toda e qualquer fragmento de luz presente. Ouro detalhe é que gatos possuem células capazes de captar cores, portanto eles conseguem ver colorido, mas o cérebro não as interpreta como nós.

     O olfato é um sentido muito importante para os felinos, eles possuem 19 milhões de terminações nervosas olfativas, isso garante a seletividade que esta espécie tem em evitar alimentos ‘passados’, o paladar dos gatos é muito exigente, mas não possuem as papilas que identificam o sabor doce.

     A audição é outro sentido apurado do gato, eles percebem sons de até duas oitavas da nota musical mais alta que conseguimos ouvir. Como nós eles com o passar dos anos começam a perda auditiva, infecções de ouvido podem piorar essa condição. Gatos brancos de olhos azuis tendem a surdez devido a uma alteração genética.

     O tato é muito importante nos felinos, os bigodes tem importância sensitiva nessa espécie, glândulas e terminações nervosas presentes no corpo do gato ajudam a orientá-lo.

Formato dos olhos:  Existem 3 formatos diferentes, determinados pela linha e pela disposição das bordas das pálpebras, as formas são arredondadas, amendoadas e oblíquas.

Comportamento de predação: O gato é um ser inteligente e versátil, apesar de serem caçadores solitários eles não são nem um pouco antissociais. Eles se comunicam muito bem através da vocalização, linguagem corporal, do toque e dos cheiros. Uma particularidade singular é o aspecto de suas papilas linguais, que por serem queratinizadas funcionam como uma lixa.

Vocalização: Possuem grande repertório, desde miados queixosos, até ronronares sedutores, lamentos e terríveis gritos. As maneiras como eles o fazem depende também de seu comportamento individual.

Linguagem corporal: Eles conseguem expressar com movimentos o desejo pelo jantar, se a ‘conversa’ com o coleguinha será amigável ou não. O roçar, por exemplo, é uma maneira muito carinhosa de dizer ‘eu adorei ou adoro você’. Outro detalhe comportamental importante na vida social do gato é a hierarquia, devemos aprender a respeitar esses limites quando estamos diante de uma família de mais de 2 indivíduos.

Interação gato-gato: Gatos são mais sutis que cães para dar pistas quando a situação não é das melhores entre eles. Em vez de terem compulsões e de se automutilarem, como ocorre com os cães, os gatos simplesmente reduzem a atividade e dormem mais, diminuem a frequência das explorações, das brincadeiras, da alimentação e do uso da caixa de areia. Mudanças como essas exigem cuidado e atenção para serem percebidas.

 

ESPAÇO PEQUENO 

 

     Alguns estudos demonstram que quando os gatos se dão relativamente bem, é melhor deixá-los vivendo em grupo do que separados individualmente. Para isso acontecer, entretanto, é preciso que o grupo possa se comportar o mais naturalmente possível. Ou seja, entre os felinos que estão em ambiente confinado, o relacionamento deve acontecer de maneira semelhante à que ocorreria se não houvesse restrição de espaço.

     O normal, para um gato que vive em grupo, é permanecer cerca de 50% do tempo fora da visão dos demais, e quando está com os outros gatos, passar a maior parte do tempo afastado deles, de um a três metros. Sempre que possível é preciso que o ambiente ofereça condições e espaço para cada gato ficar fora da vista dos demais e a até três metros um do outro.

     Com relação ao espaço para exploração e exercício, quanto maior ele for melhor. Mas um ambiente pequeno pode se tornar interessante e estimulante para o gato. E mais vale um ambiente menor, mas estimulante, do que um espaço maior, porém vazio.

 

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL

 

Prateleiras e mobiliário para gatos

     Gatos são animais que precisam de estímulos, arranhadores e prateleiras os distraem e impedem ou mesmo diminuem à destruição dos móveis. Prateleiras aumentam a área de exploração e possibilita que os gatos observem o ambiente a partir de um ponto elevado, o que lhes dá maior controle. Em conjunto com divisórias, as prateleiras oferecem a possibilidade de cada gato ficar fora do campo de visão dos demais.

     Um estudo científico demonstrou que, frequentemente, o controle do espaço no piso é feito pelos gatos mais dominantes, enquanto os mais submissos se refugiam nas prateleiras.

Esconderijos

     Ter onde se esconder é importante para os gatos, o esconderijo, mesmo quando não usado, deixa o felino mais confiante por saber que quando for preciso poderá ter uma rota de fuga e um lugar para se abrigar.

     Está comprovado cientificamente que os gatos que vivem em ambiente confinado, mas com esconderijo, há uma redução do hormônio cortisol, que em níveis altos indica estresse e maior sensibilidade para doenças e alergias.

Recursos essenciais

     É comum um gato se sentir inibido para beber, comer ou usar a caixa de areia quando outro gato mais dominante o observa. Por isso, convém que a água, a comida e os banheiros sejam disponibilizados em mais de um local, colocados de modo que não se torne possível a um gato controlar todos esses recursos ao mesmo tempo, se o gato mais dominante estiver deitado na frente de uma caixa de areia, haverá outra caixa de areia para ser usada longe.

Intolerância entre dois gatos

     Confrontos entre gatos de um grupo são comuns. Nessas disputas ocorrem chiados, patadas e unhadas. Um pouco de agressividade deve ser considerada normal, se um dos gatos ficar aterrorizado demais e viver escondido, deve-se separá-lo ou pedir ajuda a um especialista em comportamento. Algumas vezes, a única saída é formar dois grupos de gatos numa mesma casa, mantidos separados ou em gatis diferentes.

 

REPRODUÇÃO

 

     As fêmeas atingem a maturidade sexual entre 7-12 meses, os machos tornam-se maduros entre 10-14 meses. O período de cio das gatas dura em média 3-4 dias, porém a ovulação nesta espécie é chamada de ovulação induzida, ou seja, é necessário o coito para a ovulação. Se o dono da gata não tem a intenção de que ela acasale, a melhor opção é a castração.

     Uma particularidade anatômica curiosa é que os machos possuem espículas no pênis, que são pequenos ‘espinhos’ que estimulam a fêmea durante o coito. O acasalamento é sempre ‘selvagem’ com muitos miados, mordidas e gritos. Os machos não castrados demarcam seu território com esguichos de urina (urinas em ‘spray’), deixando um forte e característico odor.

 

ALIMENTAÇÃO

 

     O gato faz cerca de 10 a 20 refeições diárias, diferentemente do cão, o gato deve ter sua dieta diária ad libitum, porém mantendo o controle de quantidade, essa necessidade está relacionada ao seu hábito de caça.

     Devido a sua origem desértica gatos ingeriam água a partir de sua presa, portanto atualmente a diretriz adotada (2018) a oferta de dieta mais adequada é a úmida que possui cerca de 70% de água em sua composição, exatamente a quantidade de uma ‘presa natural’.

     Alguns fatores são importantes para favorecer a alimentação, uma delas é manter os
comedouros distantes das caixas higiênicas, evitarem comedouros duplos, com compartimentos para água e comida unidos. Sempre que possível, devemos procurar alimentar os gatos individualmente ou “sob supervisão”.

     Controlar a quantidade de comida que cada gato ingere permite evitar obesidade e detectar se algum deles está sem apetite, eventual sinal de doença ou de estresse. Quando não é possível fazer esse tipo de controle, a recomendação é adotar uma rotina rigorosa de verificação do peso de cada gato. No caso do gato doméstico a caçada pode ser substituída por jogos domésticos, isso mantém o animal em controle de peso.

 

CAIXAS DE AREIA E SANITÁRIOS

 

     Os gatos são animais extremamente limpos, necessitam de uma bandeja sanitária que deve ser limpa diariamente, para preencher a caixa podemos usar granulado sanitário, areia sanitária de diferentes tipos ou até mesmo farinha de mandioca. O importante é identificar o que melhora agrada o seu gato e sua necessidade financeira, atualmente  já temos várias opções no mercado.

     A caixa deve ser limpa pelo menos 1 vez ao dia, fezes e torrões de urina retirados e a areia deve ser preenchida em altura. Pelo menos uma vez por semana a caixa deve ser esvaziada completamente e lavada, secar bem e preencher novamente com areia ou granulado novos.

     O número ideal de caixas em um ambiente com gatos segue a seguinte regra: número de gatos + 1 caixa, ou seja, temos 3 gatos, preciso de 4 caixas. A escolha do tipo de caixa também é individual, existem diferentes tipos, abertas, fechadas, com porta, sem porta, com grade inferior, o importante é que atenda as necessidades do seu gato.

     Lembrando que mudanças para gatos adultos podem ser traumáticas e fazer com que ele pare de urinar, levando assim a quadros patológicos e emergenciais de obstrução urinária.

 

ESCOVAÇÃO E BANHOS

 

     Os gatos são meticulosos com a higiene pessoal, sua língua é um eficiente ‘pente’, (gatos de longa pelagem necessitam de uma ajuda extra com as escovações diárias). Gatos que não possuem acesso a rua devem ter as unhas cortadas um vez por semana com alicate específico.

     Caso o animal esteja muito sujo existe a possibilidade de banho a seco em animais avessos a água, na necessidade de banho os produtos necessários são bacia, água morna, toalha, pente e escova. Limpar as orelhas com bastões de algodão a cada 15 dias.

     Os gatos apresentam 3 tipos de pelo: pelo em guarda, pelo cerdosos e subpelos macios. Dependendo da raça esses tipos podem estar presentes ou não e em combinações diferentes também. Exemplo: um maine coon possui pelos de guarda e subpelos longos.

 

PRINCIPAIS RAÇAS NO BRASIL

 

Persa: Os persas surgiram na Europa no inicio do sec. XVI. São afetuosos, calmos e gentis, apresentam corpo forte e curto, patas grandes e redondas, olhos grandes e arredondados, cabeça redonda e grande, orelhas pequenas e arredondadas. Sua pelagem densa e sedosa requer cuidados diários.

Siamês: Acredita-se que gatos similares aos siameses tenham vivido na Tailândia há centenas de anos, chegaram na Europa por volta de 1880. São extrovertidos, arrogantes, inteligentes, bem ‘falantes’ e devotados ao dono. Corpo médio, atlético e delicado, pernas longas, magras e proporcionais. As orelhas são grandes e pontiagudas, os olhos são médios, oblíquos e azuis, a cabeça é bem triangular.

Maine Coon: É uma das raças americanas mais antigas, sua pelagem é comparada a dos texugos. É um animal de temperamento carinhoso e dócil. Dorme em posições estranhas, fica ‘encaracolado’ e emite um som parecido com um gorjeio. Sua pelagem e espessa, sua
orelhas possuem tufos de pelos nas pontas. Os olhos são grandes e levemente oblíquos, seu corpo é grande, longo e musculoso, sendo quase retangular.

Sphinx: Também chamado de pelado canadense, é um gato peculiar por não possuir pelos, característica esta recessiva e hereditária. Como o segundo nome diz é um gato originário do Canadá. Todas as cores são admitidas, sua estrutura é longilínea, cabeça triangular e orelhas grandes. São muito afetuosos e possessivos, por não terem bigodes são mais desajeitados e caem com mais facilidade.

Munchkin: É uma raça americana recente cujos exemplares possuem membros curtos devido a uma mutação genética. Foi criada em meados dos anos 90. É considerado um gato médio pesando de 3 a 4 kg quando adulto, possui uma gama variada de possibilidade de cores, sendo o pelo longo permitido e conhecido como Munchkin longhair. Seu temperamento é extrovertido, brincalhão e muito carinhoso.

 

Obrigada pela visita 😀

 

Fontes

  • Texto: Cetac – Cursos em veterinária.
  • Foto: Site de imagens gratuitas – pexels.com

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s